quarta-feira, janeiro 24, 2007

Mãe pula no poço e salva filho de afogamento: uma questão sobre ética jornalística

O episódio ocorrido esta semana na cidade de Franca, em São Paulo, quando uma mãe que não sabia nadar pulou em reservatório de água para salvar o filho de 7 anos que estava se afogando, traz à tona uma discussão sobre ética.

Como podemos ver nas imagens abaixo, os momentos foram registrados pelo fotógrafo Tiago Brandão, do jornal Comércio da Franca, que estava ali para fazer uma pauta sobre a falta de água na cidade.

O questionamento que pode ser feito remete à um velho debate, que envolve o trabalho dos profissionais da comunicação: por que o fotógrafo não foi ajudar a salvar os dois e optou por ficar apenas registrando o momento de desespero?

O próprio Tiago Brandão, em entrevista ao site G1, disse que agiu por instinto profissional: “Agi por instinto. Meu instinto de fotógrafo falou mais alto. Acho que não só o meu, o de qualquer fotógrafo naquela situação. Pouco depois, comecei a pensar, mas já tinha gente lá para ajudar."






6 comentários:

Juliana de Farias disse...

Querida Lê, parabéns pelo blog. Essa discussão inclusive foi muito bem retratada na discussão das aulas de fotojornalismo com o texto " A insustentável leveza do click". Algo assim. Ás vezes, deixa morrer para não perder a foto. É triste, mas isso ainda é uma realidade. Beijos pra ti

Tiago Brandão disse...

Bom dia internautas e leitores do Ponto de Análise, como autor da foto e com oito anos de fotojornalismo, já sabia que essa discussão ia entrar ao ar, quanto a pergunta se salvaria meu filho, é uma coisa que não vem ao caso, é uma situação totalmente diferente de que a que eu presenciei, não precisa nem dizer que se fosse meu filho iria entrar em desespero (como aconteceu com a Dona Jerônima neste caso), mas acho que como haviam outas pessoas e o socorro já estava sendo prestado, acho que fiz a minha parte, esta construção, que está a oito anos sem solução, tem o terreno totalmente aberto, para se chegar a esse poço não precisa andar mais de 10 metros, hoje o local já está totalmente cercado com uma grade de alambrado e arames farpados, o poço será drenado pela prefeitura e a mina existente no local sera encanada para o esgoto, agora eu pergunto: “será que se essas fotos não fossem publicadas a solução teria chegado tão logo?”, e mais uma pergunta: “Será que se estas fotos fossem publicadas a Dona Jerônima teria recebido as várias ajudas que recebeu desde este eposódio?”, conversei Jerônima ontem, ela me agradeceu e pediu desculpas por algumas declarações que deu na TV e disse que não tem nenhum recentimento da parte dela, chorou, me agradeceu mais uma vez e fiquei tremendamente emocionado. Acho que fiz a coisa certa. Dona Jerônima e seus filhos estão bem, estão sendo ajudados e aquela construção finalmente não oferece mais risco nenhum para a população.

Aos que me criticam, respeito plenamente a posição de todos vocês, mas peço que evitem ataques pessoais, pois em alguns blogs colocaram até a foto do meu filho fazendo a seguinte pergunta: “o que vocês acham da gente jogar este menino em um poço para que seu pai o fotografe?”…acho isso de uma covardia sem tamanho que homem nenhum que se preze deveria nem sequer pensar nestes tipos de ofensas pela internet.

Obrigado aos que me compreendem e desculpem-me aos que me critiquem, só estava fazendo o meu trabalho.

Tiago Brandão

Leo Batata disse...

Ola Tiago Brandão vc como disse estava fazendo seu trabalho...e com toda sua frieza ao ver uma mãe gritar de desespero por ver seu filho morrendo e se afogando nada fez a não ser tirar fotos! solução rapida vc disse no seu comentario? tipo pq vc não vai fotografar o NOrdeste ou pra ver se colocam agua la ou se chove porque você foi la!
Bom e se fosse seu filho, vc ficaria apenas fotografando ele se afogar por causa de seus instinto fotografico?
sem mais!

Ricardo Martins disse...

Nas primeiras fotos, vemos o desespero da mãe, o menino já completamente afundado e nenhuma pessoa pra ajudar uma mulher que não sabia nadar, deu tempo de tudo isso, enquanto o ''profissional do jornalismo'' fazia, não uma foto, mas uma sessão completa de fotos, como se estivesse registrando modelos fingindo uma tragédia, deveria ser processado por omissão de socorro, negligência e tentativa de homicídio, ser preso, perder seu registro e sacar que a única coisa que conseguiu mostrar com essas fotos foi a maldade imensa, a baixeza de que é capaz o homem pra se perfazer no bairro.

Ricardo Martins disse...

A propósito, meu caro ''profissional'', Sr Tiago Brandão, o Sr possui um documento assinado por esta mulher, lhe dando direito sobre sua imagem e de seu filho, um menor de idade?

Pamela Camargo disse...

Loco retardado. Faz tanto tempo mais ngm esqceu. Deveria sim colocar seu filho no poço.... e a maquina na sua mao pra fotografar. Seu loki.... idiota