segunda-feira, outubro 31, 2005

TV DIGITAL: O QUE É ISSO?

Diversas entidades enviaram uma carta aberta ao Congresso Nacional Brasileiro pedindo a democratização do debate sobre qual sistema será usado no país a partir da migração da TV analógica para a TV digital. O Brasil pode adotar um já existente (japonês, europeu ou norte-americano) ou desenvolver o próprio sistema.

TV DIGITAL: O QUE É ISSO? II

Isso fez-me lembrar as aulas de "Políticas da Comunicação" do Mestrado em Informação e Jornalismo. Recordo-me bem da professora Helena Sousa falando das pressões fortíssimas que as empresas multinacionais de eletrônicos fazem, em casos como esse, para que seja adotado um sistema apto aos equipamentos que produzem. Essas companhias estão de olho no imenso mercado brasileiro. Mas não seria hora do país começar a investir em construir tecnologia própria, para estimular a indústria nacional? Informe-se mais a respeito do assunto lendo a carta "TV digital: um debate que precisa de audiência".

sexta-feira, outubro 28, 2005

TV RECORD ESTRÉIA EM PORTUGAL


A TV Record inaugura, na próxima terça-feira, sua sede em Lisboa. O prédio terá seis estúdios equipados com tecnologia de última geração. O investimento é uma estratégia da emissora para conquistar o mercado internacional. Em 2006, segundo divulgou a imprensa portuguesa, a TV Record deve iniciar transmissões para países africanos. Moçambique e Uganda serão os primeiros a fazer parte da expansão da empresa na África. Os programas serão gerados a partir da sede em Portugal.

TV RECORD ESTRÉIA EM PORTUGAL II

O presidente da TV Record Internacional, Aroldo Martins, ao anunciar os investimentos da emissora em entrevista concedida ao jornal Correio da Manhã, fez questão de afirmar que a Record não é propriedade da Igreja Universal. Disse que o bispo Edir Macedo, fundador da Igreja, tem participação na TV Record como pessoa física e que, portanto, a seita religiosa não tem qualquer ligação com a televisão. É pra rir, ou pra chorar?

quinta-feira, outubro 27, 2005

PRÓ JOSÉ DIRCEU


Dezenas de personalidades brasileiras assinaram um manifesto a favor do ex-ministro José Dirceu. A carta, publicada no Blog do Fernando Rodrigues, é intitulada "Cassação do deputado José Dirceu é um ato de injustiça". Entre os nomes da lista estão os de 17 jornalistas. (Foto: Circulando.com)

PRÓ JOSÉ DIRCEU II

Entre os jornalistas, alguns têm uma história na imprensa brasileira, mas não exitaram em colocar o nome na lista em favor do acusado de ser o principal articulador do mensalão. Os nomes são:
Hildegard Angel, colunista do Jornal do Brasil
Ricardo Kotscho, profissional experiente que atuou em grande Jornais como Folha de São Paulo, e em TVs como a Rede Bandeirantes e o SBT. No governo Lula assumiu a Secretaria de Imprensa da Presidência da República.
Aluisio Palmar, ex-guerrilheiro nos tempos da ditadura militar
Argemiro Ferreira, escritor com grande experiência no exterior e forte atuação em investigações sobre a Guerra Fria
Cláudio Cerri, repórter de destaque na revista Globo Rural.
Lia Ribeiro Dias, atuou nos Diários e Associados e em grandes jornais como o Estadão. Destacou-se também na área de pesquisas acadêmicas sobre comunicação.
Ottoni Fernandes Jr, ex-militante, escritor, trabalhou na Istoé, Exame e Gazeta Mercantil.
Sérgio Sister, artista plástico e fundador do PT.
Vladimir Sacchetta, produtor cultural de renome e professor da USP.
Também assinaram a carta os jornalistas:
Rui Goethe da Costa Falcão
Paulo Ribeiro
Raimundo Rodrigues Pereira
Carlos Tavares
Álvaro Caropreso
Beth Fleury
Flávio Tavares
Malu Alves Ferreira

quarta-feira, outubro 26, 2005

TALENTOS CAPIXABAS

O destaque é para Ronald Mansur (foto), jornalista, pesquisador da colonização capixaba, descendente de libaneses e editor do Jornal do Campo. Mansur é um dos responsáveis pela implementação do agroturismo no Espírito Santo - idéia que trouxe a partir de uma visita à Itália. Inclusive foi ele quem criou o termo "agroturismo". É um grande incentivador dessa prática e fomenta a atividade em todo o interior do estado, que conhece como a palma da mão. Por meio da sua atividade como editor de um telejornal rural, divulga há quase três décadas o trabalho de famílias de agricultores que inovam no trato com a terra com criatividade e amor. Escreveu dois livros sobre o Jornal do Campo que contam histórias pitorescas e inusitadas do meio rural capixaba. Também ajudou a organizar o livro "Viagem à Província do Espírito Santo – Imigração e Colonização Suíça – 1860", publicado pelo Arquivo Público Estadual com financiamento da Rádio Swissinfo. Agora Ronald Mansur prepara mais uma obra, retratando a imigração libanesa por meio da história de sua família e de artigos de "brimos e brimas", que é como ele chama carinhosamente outros descendentes árabes. É, sem dúvida, um dos ícones do jornalismo capixaba.

terça-feira, outubro 25, 2005

VENDA DA VARIG


Saiu hoje no jornal português Diário de Notícias: "Fernando Pinto, da TAP (Air Portugal), apresentou ontem ao juiz Robert Drain, do Tribunal de Falências de Nova Iorque, o interesse da companhia portuguesa no processo de recuperação da Varig. Este juiz tem entre mãos o pedido das empresas de leasing, que procuram reaver os aviões ao serviço da Varig e pedir a falência da companhia brasileira nos Estados Unidos." Para quem não se lembra, o escândalo do mensalão trouxe à tona a informação de que o publicitário Marcos Valério teria ido à Lisboa várias vezes, a pedido do então ministro José Dirceu, negociar com o governo de Portugal a venda da Varig à estatal Tap. O negócio tem fluído muito bem.

VENDA DA VARIG II

Quem quiser mais informações sobre a influência de José Dirceu na Varig, enquanto ministro, pode ler uma reportagem muito interessante publicada no site do da APVAR - Associação dos Pilotos da Varig.

AINDA O REFERENDO


As pesquisas de opinião sobre a questão do desarmamento no Brasil tiveram uma margem de erro que beira os 20%. Elas davam uma vantagem ao NAO de 55% contra 45%. O real foi 64% NÃO e 36% SIM. Terá sido erro de metodologia? (Foto: UOL)

segunda-feira, outubro 24, 2005

SOPCOM


O professor da PUC de Lisboa, Rogério Santos (foto), atualizou seu blog Indústrias Culturais com informações muito relevantes a respeito do 4º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (Sopcom). Entre as apresentações destacadas está a dos professores Manuel Pinto e Helena Sousa, da Universidade do Minho, sobre o Projeto Mediascópio, do qual participo. Para Rogério Santos o Mediascópio é "um dos projectos de investigação na área dos media melhor estruturados". Leia aqui o post.

NÃO AO DESARMAMENTO VENCE O REFERENDO

"As leis calam quando as armas falam."

Frase do filósofo Marco Túlio Cicerón, dita na Roma do século I a.C.

domingo, outubro 23, 2005

A VACA E O BOI FORAM PRO BREJO


Deu no jornal a "Folha de São Paulo" que o governo só gastou R$ 2,7 milhões para a erradicação da febre aftosa no país, ou seja cerca de 20 por cento do total liberado, de R$ 13,7 milhões. O orçamento total para o combate da doença era de R$ 35,3 milhões, mas contingenciado o valor caiu para R$ 20,1 milhões.
Segundo a reportagem, a Secretaria de Defesa Agropecuária, órgão do Ministério da Agricultura, tem orçamento de R$ 91,1 milhões para gastar com programas de defesa sanitária animal e vegetal neste ano. Do total, R$ 55,4 milhões tinham sido liberados até quarta-feira, mas 26,7%, R$ 24,3 milhões, foram gastos efetivamente.
Fico a pensar: Onde foi parar o dindin das vaquinhas mimosas????Desviado pra onde? Pra qual conta? Pra pagar mensalinhos e mensalões?
O boi Bandido vai até sair da novela América em sinal de protesto.

sexta-feira, outubro 21, 2005

4º CONGRESSO DA SOPCOM

Termina hoje na Universidade de Aveiro o 4º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (Sopcom). O novo contexto da informação é o tema chave do evento. Apesar da importância do congresso não há um blog oficial que esteja divulgando as conclusões, debates e painéis apresentados pelas dezenas de pesquisadores que estão participando das jornadas. A tarefa tem sido feita pelo blog Jornalismo e Comunicação.

MENSALINHO E O GOVERNADOR DO ES

A cobertura dos jornais capixabas sobre o mensalinho na Assembléia Legislativa está confusa, mal explicada e mal apurada. As reportagens estão frias e distantes. São lamentáveis as afirmações do governador sobre sua base de apoio ser constituída em peso pelos envolvidos no esquemão. É preciso saber se há participação desses deputados e ex-deputados na administração do estado, se eles indicaram cargos nas empresas públicas e se existe uma moeda de troca que garante o apoio deles ao que Paulo Hartung denominou "choque ético". Agora que está no PMDB, Hartung deveria dar a receita à colega de partido e governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Garotinho, para que ela faça um "choque ético" carioca e estabeleça uma base de apoio com os traficantes. (Foto: Causafilosófica)

quinta-feira, outubro 20, 2005

RÁDIO ES: GOL DE PLACA

A equipe de esportes da Rádio Espírito Santo (1160 AM) lançou o primeiro blog jornalístico desportivo capixaba. O www.esporteja.com tem um visual leve e informações bem apuradas. Certamente é um dos mais completos veículos da área no estado, pois conta com a competência de profissionais experientes, que vivem o mundo dos esportes há muitos anos. Fundada em 14 de janeiro de 1940, a Rádio ES faz parte da história do Espírito Santo e vive agora uma fase de modernização e valorização. Outra novidade da emissora é a digitalização do seu acervo musical que conta com mais de dez mil títulos, entre discos de vinil, 78 rpm e compactos. É um dos mais valiosos do Brasil. Logo o material estará disponível a todos. Parabéns pelo exemplo de profissionalismo e valorização do público.

quarta-feira, outubro 19, 2005

REFERENDO

A respeito da cobertura do referendo sobre a proibição de venda de armas de fogo no Brasil, Sérgio Correa Vaz, do Intermezzo, denuncia: "Jornais, revistas e mídias online não só acompanham os diversos posicionamentos. Parte deles entraram enfaticamente em campanha, deixando de lado qualquer compostura jornalística". Um das coberturas mais parciais é a da Revista Veja, que chegou a publicar matéria de capa com o título "7 razões para votar não".

REFERENDO II


Nunca uma campanha utilizou tanto a Internet como a do referendo. Nos principais sites, do sim ou do não, é possível publicar depoimentos e opiniões, enviar material publicitário "caseiro", baixar banners para ilustrar páginas pessoais. Nos endereços www.referendosim.com.br e www.votonao.com.br o internauta encontra ainda dicas de como montar um comitê, além de material para fazer palestras, como apresentação em Power Point e cartilhas explicativas.

terça-feira, outubro 18, 2005

JORNALISMO LITERÁRIO OU NARRATIVO


Nos congressos de comunicação sempre há discussões sobre o fim ou a manutenção da pirâmide invertida e do lead no novo jornalismo, modificado pela Internet. Mas qual o futuro dos jornais impressos num mundo onde as notícias chegam ao público quase que instantaneamente? Para os pesquisadores Felipe Sáles Gomes, Klenio Veiga da Costa e Renata Lourenço Batista, da Faculdade de Filosofia de Campos, a saída é o jornalismo literário, um caminho que está se desenhando em contraponto à pouca profundidade das notícias online. (Imagem: Adestre)

JORNALISMO LITERÁRIO OU NARRATIVO II

É um padrão muito utilizado na literatura ficcional do século XIX que se adapta agora à narrativa jornalística que não se faz por meio do lead ou da pirâmide invertida. São textos que podem ser escritos em primeira pessoa, podem ser contextualizados historicamente e fornecem informações completas, com início, meio e fim. É o oposto do hipertexto da Internet. A íntegra do estudo você lê na Biblioteca Online de Ciências da Comunicação - BOCC.

segunda-feira, outubro 17, 2005

A CREDIBILIDADE DOS BLOGS JORNALÍSTICOS

Notícia publicada hoje no site do jornal português Diário Econômico: "O motor de busca de notícias da 'Yahoo!' passou a incluir os blogs na sua oferta jornalística online. Com esta inovação, a busca de uma palavra-chave nas notícias online inclui agora uma lista de blogs relevantes, mostrados numa caixa à direita dos resultados obtidos no jornalismo convencional. O passo agora dado pela 'Yahoo!' representa o reconhecimento de um público crescente que não se satisfaz com a oferta informativa e editorial dos jornais, das revistas ou dos meios audiovisuais."
No Brasil o UOL já coloca manchetes com notícias provenientes dos blogs. São os sites pessoais ganhando a credibilidade das grandes empresas de comunicação.

sexta-feira, outubro 14, 2005

LULA EM PORTUGAL

Enquanto os jornais brasileiros destacaram a questão da febre aftosa abordada pelo presidente Lula durante visita à cidade do Porto, os jornais portugueses ressaltaram a questão da imigração ilegal de brasileiros, num aparente esforço (que não existe na prática) de legalizar a situação dessas pessoas. Também falou-se por aqui da possibilidade de acordos econômicos entre os dois países. Ao analisar tudo que foi divulgado é fácil chegar à conclusão: A VIII Cimeira Luso-Brasileira serviu muito bem para que o presidente brasileiro passeasse de barco pelo Rio Douro saboreando um vinho do Porto, e para que os dois governos exercitassem a retórica política que fica sempre ...na retórica política. (Na foto do Diário de Notícias: o primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates, o presidente Lula e o presidente de Portugal, Jorge Sampaio)

LULA EM PORTUGAL II

Leia abaixo a repercussão da imprensa portuguesa sobre a visita do presidente brasileiro (Foto: www.jn.pt):

Jornal de Notícias: "A VIII Cimeira Luso-Brasileira saldou-se, em termos práticos, pela assinatura de sete acordos e por um apelo ao investimento mútuo. A imigração não poderia estar ausente, tendo sido anunciados mecanismos e intenções com o intuito de facilitar a legalização de aproximadamente 10 mil brasileiros em Portugal."

Diário de Notícias: "O assunto mais sublinhado foi a cooperação económica. Afinal, Brasília acredita que Portugal pode ser a porta de entrada para a UE e Lisboa tem a mesma ideia sobre o Brasil ser a plataforma para chegar ao Mercosul. "

Público: "A imigração e as relações económicas bilaterais dominaram a agenda da VIII Cimeira Luso-Brasileira. Lula e José Socrates fizeram uma avaliação positiva do processo de legalização, uma vez que quase metade dos brasileiros recenseados em 2003 já estão em situação regular."

Correio da Manhã: "O primeiro-ministro, José Sócrates, aproveitou a VIII Cimeira Luso-Brasileira, para afirmar que está na altura de os investidores brasileiros começarem a investir em Portugal."

quinta-feira, outubro 13, 2005

JESUS VIRTUAL

Comunidades evangélicas do Orkut estão articulando uma campanha para fazer um pregação virtual em grupos orkutianos anti-cristãos. Uma das comunidades que defendem um ataque de scraps para levar a palavra de Deus aos descrentes é a "Deus quer Usar o Orkut", que tem quase 5 mil participantes. Na apresentação do grupo está um quase decreto de guerra santa na Internet: "vamos entrar pelos cantos escuros do orkut e espalhar a luz que há em nós". Já a comunidade "Guerra Espiritual" alerta: "Orem por esta comunidade!!! Ela está incomodando o inferno!!!". Se algumas Igrejas mais ambiciosas descobrem essa nova ferramenta logo será instituída a cobrança online de dízimo!

terça-feira, outubro 11, 2005

ESQUERDA DESTRA

O sociólogo esquerdista (?) Emir Sader, em entrevista publicada no site da Universidade de São Paulo, ao referir-se ao papel da imprensa brasileira na atual crise política: "Acho que foi o grande sujeito dentro desse projeto todo. Foram eles que levantaram as denúncias e se alimentaram como se não houvesse nenhum outro problema no Brasil e que, além disso, colocaram a pecha de mensalão e reverteram a imagem do PT. As CPIs não teriam tanta importância se não houvesse a transmissão televisiva." (Foto: FCD)

sábado, outubro 08, 2005

COMUNICAÇÃO E A LÍNGUA PORTUGUESA


Público atento, debates importantes e a certeza de que, apesar da língua portuguesa ser comum entre os países da lusofonia, as diferenças culturais tornam o espaço lusófano fragmentado. Esse foi o tom dos debates e exposições do I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia, realizado pela Universidade do Minho. A Universidade mantém, sob a coordenação da professora Helena Sousa, o "Projecto Lusocom: estudo das políticas de comunicação e discursos no espaço lusófono", uma iniciativa que envolve pesquisadores de diversos países e que tem como objetivos principais mapear estruturas, identificar centros de produção, estudar atores políticos e sociais no espaço lusófono, analisar representações sociais e níveis identitários, além de descobrir o papel da língua portuguesa e das normas linguísticas na formação de uma identidade lusófona. Hoje o português é falado por aproximadamente 200 milhões de pessoas e é a língua oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, e Timor Leste.

PORTUGAL E A LUSOFONIA

O primeiro painel, com o tema “Lusofonia: Equívocos, Fronteiras e Possibilidades” foi aberto pela filósofa da cultura e professora da Universidade de Aveiro, Maria Manuela Batista. A pesquisadora listou quatro estereótipos sobre a lusofonia, muito estimulados em Portugal na era salazarista. São eles:
1 - Portugal é o centro da lusofonia.
2 – A língua portuguesa irmana a todos os países da lusofonia em uma única cultura.
3 – A lusofonia é um mercado de milhões de consumidores.
4 – Cabe a Portugal influenciar suas ex-colônias.
Em um discurso bastante crítico, a palestrante disse que os estereótipos propõem uma visão dos países da lusofonia como um “jardim colonial” e resumem a questão a uma lógica emocional.

LUSOFONIA NA LITERATURA

Em seguida falou o professor Luís Cunha, da Universidade do Minho, que expôs uma análise da lusofonia a partir da literatura. Ele avaliou os livros: Iracema, de José de Alencar; Os Sertões, de Euclides da Cunha; Macunaíma, de Mário de Andrade; e Jangada de Pedra, de José Saramago. O estudo apresentado percebeu a língua portuguesa como a construção de uma etno-paisagem.

PARAÍSO LUSÓFANO

A terceira palestrante do painel foi Regina Brito, coordenadora do Núcleo de Estudos Lusófanos da Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP). Ela apresentou uma visão semiótica e linguística baseada em um estudo feito em Timor Leste. Segundo a professora, há uma visão romântica do “paraíso lusófano”, no entanto, para ela não é viável a construção de uma cultura lusófona dentro dos padrões da globalização. Destacou que é preciso pensar na função da língua portuguesa em cada um dos seus distintos contextos.

UM ESPAÇO MULTICULTURAL


O Diretor do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, professor Moisés Martins , encerrou o primeiro painel afirmando que a lusofonia não se prende a estereótipos. Ele acredita ser possível formar uma comunidade transnacional entre os países da lusofonia, com propósitos político-culturais, exprimindo multiculturalismos, que teriam em comum a mesma língua. (Foto: professor Moisés Martins, o reitor da Uminho Antônio Guimarães Rodrigues e o professor Aníbal Augusto Alves)

MOÇAMBIQUE

No segundo painel, com o tema “Políticas da Língua e Identidade” os expositores mostraram a realidade da lusofonia nos seus respectivos países. Eduardo Namburete, da Universidade Eduardo Mondlane, e presidente da Associação Moçambicana de Estudos da Comunicação, trouxe alguns dados estatísticos sobre a realidade lusófona em Moçambique. Os dados, segundo afirmou, são estimativas, mas sugerem uma idéia da situação da língua portuguesa no país. De acordo com o professor, apenas 10% dos moçambicanos têm o português como a língua materna, apesar de ser a língua oficial. 90% têm como primeira língua um dos 23 idiomas falados em Moçambique. O que ocorre, segundo disse, é que o português acaba sendo um língua de exclusão e não um fator de unificação. Isso é acentuado pelo frágil sistema educacional, que utiliza o português, mas que não chega à toda a população.
Além disso, a proximidade de Moçambique com países de língua inglesa tem levado muitas pessoas e optarem por essa língua.

BRASIL


Neusa Bastos, professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP) e da Pontifícia Universidade Católica (PUC), destacou a posição brasileira como um país onde a língua portuguesa está consolidada. Referiu-se ao Brasil como uma nação de multiplicidades que se irmana com os demais países lusófanos e que tem como política linguística o fortalecimento da língua portuguesa. A professora citou o poeta Fernando Pessoa: “Não tenho sentimento nenhum político ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriótico. Minha pátria é a língua portuguesa”. Destacou ainda que a língua portuguesa é de todos que a falam e que ela é um elo de igualdade de um espaço supranacional.

TIMOR


Benjamim Corte-Real, da Universidade Nacional Timor Lorosa’e, explicou porquê o português foi adotado como língua oficial do país. Segundo ele houve uma decisão política envolvendo 5 partidos. A decisão foi baseada no fato de que, depois de 400 anos de convivência com a língua, o português passou a fazer parte da cultura timorense. Segundo ele, o português também tem uma importância histórica que reforçou até mesmo a expansão e formação do tétum – uma língua nativa muito falada. O professor explicou que antes da chegada dos potugueses o tétum abrangia uma pequena parte da população, no entanto, a administração portuguesa, a Igreja Católica, o comércio e as aristocracias locais passaram a utilizar muito essa língua para a comunicação com o povo local, reforçando o idioma. Mas a adoção do português como língua oficial encontrou também conrrentes contrárias. Algumas linhas defendiam o ensino por meio da língua materna, diziam que o português configurava um monopólio do poder político, que não era a língua mais falada no Timor e que representaria um saudosismo do monopólio português. A exposição do palestrante deixou claro que a língua oficial não está consolidada em todos os meios do país e que a polémica em torno da adoção do português como oficial ainda persiste.

ANGOLA


Joaquim Paulo da Conceição, Presidente da Associação Angolana de Estudos da Comunicação, expôs a delicada situação do país em relação à questão das línguas. Disse que em Angola existem 49 dialetos e 19 línguas, utilizadas inclusive pela mídia, em especial a radiofónica que tem uma grande força e alcance. O professor fez referência ao período do domínio português, dizendo que Portugal sempre quis reprimir o uso das línguas nativas como forma de enfraquecer o sentimento nacionalista. De acordo com dados mostrados durante a palestra, apenas 2% dos angolanos têm o português como língua materna, apesar de 30% da população conhecer e usar o idioma. No entanto 70% se comunicam utilizando línguas nativas, que após a independência tiveram o seu uso estimulado. O decreto que estabeleceu o português como língua oficial, de acordo com o palestrante, levou em conta que essa era uma língua externa, etnicamente não marcada, pelo fato de seus falantes serem de todos os grupos. Era, portanto, a única língua de entendimento nacional.

MÍDIA NO ENSINO


O terceiro e último painel do Congresso foi “Os media e a memória social”. A brasileira Benalva da Silva Vitorio, professora da Universidade Católica de Santos, defendeu a utilização da mídia como forma de expandir o ensino da língua numa ótica social. A pesquisadora disse que dessa forma é possível vencer o desafio de desvincular a leitura e a escrita da atividade meramente mecânica, levando a um entendimento. Ela considera que “na interface entre comunicação e educação surge outra cultura com outro modo de ver e de ler, de pensar e aprender”. A palestrante defende também a utilização da telenovela para conhecer o espaço da lusofonia, já que, conforme disse, esse produto se tornou simbólico e globalizado, e toca o universo lusofônico, como ocorreu na novela “Escrava Isaura”, que mostrou uma outra relação histórica do período da escravidão.

RTP


A professora Helena Sousa (foto), da Universidade do Minho, coordenadora do Projecto Lusocom,, apresentou um estudo sobre a RTP Internacional e a RTP África - canais públicos de Portugal que chegam aos países lusófonos. A professora analisou programas de governo de Portugal elaborados a partir de 1980 e concluiu que a idéia da lusofonia é apresentada de uma forma cada vez mais clara, sendo utilizada na criação de uma identidade lusófona, o que seria a razão de ser dos canais. É uma forma dos políticos articularem-se no sentido de criar um mundo em que existe um espaço lusófono, mesmo que fragmentado e fragilizado.

IDENTIDADE E MEMÓRIA SOCIAL


A professora Rosa Cabecinhas (foto), da Universidade do Minho, mostrou um estudo que realizou em Timor Leste e em Portugal chamado “Identidade e memória social no espaço lusófano: estudos comparativos”. A professora observou, por meio de pesquisa com aplicação de questionários, como os jovens portugueses e timorenses percebem o seu país, seja em relação à língua, às personalidades e aos acontecimentos históricos. Ela concluiu que os jovens timorenses focam-se no passado recente traumático, já os portugueses têm uma identificação no distante e glorioso passado.

A TV GLOBO


César Bolaño (foto), jornalista e professor da Universidade Federal de Sergipe, falou sobre a TV Globo. Disse que a televisão pública no Brasil não tem uma grande representatividade e que no país existe apenas a TV Globo e “ e o resto”, o que configura a força da emissora privada. Citou estudos que revelam que, no Brasil, apesar da concessão dos canais de comunicação ser fornecida pelo governo, ele acaba se tornando refém dos grupos midiáticos, numa “assimetria da comunicação”. O professor acredita que o poder da Globo sobre a política e os políticos, decorre da falta de um ambiente normativo. Para ele, os empresários das comunicações sempre enxergaram com muita clareza que as leis brasileiras não poderiam atrapalhar seus interesses estratégicos. César fez citações que afirmam que a lei dá margem a um sistema atrasado de estrutura dos poderes de concessões midiáticas, o que garantiu a existência das grandes redes nacionais, configurando a base da concentração do poder no Brasil.

A TV GLOBO II

O professor Bolaño falou também do surgimento da TV segmentada, a partir de 1995, e também da Internet. Referiu-se a essas inovações como um foco importante que pode provocar mudanças futuras, mas que até o momento não alterou o panorama midiático brasileiro. O professor concluiu que a lógica comercial da Globo determina a agenda midiática no Brasil, resultando num empobrecimento da cultura, na manipulação que serve a interesses próprios, e que se sustenta em uma grade de programação, focada em horário nobre, que está arraigada nos hábitos da audiência e que dificulta a ação da concorrência. (Imagem: Telehistória)

GEOGRAFIA CULTURAL


Joseph Straubhaar, professor e coordenador de um núcleo de estudos da língua portuguesa na Universidade de Austin, no Texas expôs um estudo intitulado “Localizando o lusófono: geografia cultural e globalização”. Disse que, no Brasil, o regional não encontra espaço na televisão, mas está presente em outros aspectos como a música e as manifestações folclóricas. Citou as tradicionais festas de São João, que movimentam todo um mercado, e que são herança da tradição católica portuguesa. Ele encerrou os debates.

quinta-feira, outubro 06, 2005

SEMINÁRIO SOBRE A LUSOFONIA


Nesta sexta-feira acontece na Universidade do Minho, em Braga, Portugal, o I Congresso Internacional sobre Comunicação e Lusofonia. Serão debatidos aspectos culturais e acadêmicos referentes aos países que falam a língua portuguesa. Entre os convidados está o professor da Universidade Federal de Sergipe, César Bolaño, que organizou o livro "Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia". O Congresso é uma iniciativa do Projecto Lusocom: estudo das políticas de comunicação e discursos no espaço lusófono, coordenado pela Professora Helena Sousa. Estarei cobrindo o evento. (Imagem: www.teiaportuguesa.com/)

terça-feira, outubro 04, 2005

UNIVERSIDADE DO MINHO: A MELHOR EM COMUNICAÇÃO DE PORTUGAL


A Universidade do Minho, onde faço mestrado em Informação e Jornalismo, teve seu curso de comunicação classificado como o melhor de Portugal pela Fundação das Universidades Portuguesas. É o reconhecimento do trabalho de uma equipe competente e unida, que produz conhecimento com uma dedicação contagiante. A Universidade consegue aliar a teoria à prática e contribui para a história da comunicação realizando congressos e publicando inúmeros artigos e livros sobre essa ciência.

DEZ ANOS DE PLAYSTATION


A igreja Católica considerou blasfemo o anúncio veiculado na Itália dos 10 anos do videogame Playstation, da Sony. A propaganda (foto), que evoca a paixão de Cristo e tem como slogan "10 anni di passione", despertou a revolta não só do Vaticano, mas também de grande parte da sociedade italiana.

DEZ ANOS DE PLAYSTATION II


A propaganda do Playstation sempre foi polêmica. O site da Sony faz uma retrospectiva de toda a publicidade desse videogame desde sua chegada até hoje. O site traz ainda uma entrevista com os principais programadores de jogos da empresa. Um deles, Ted Price, resume em uma frase qual é o fascínio exercido pelos videogames: "Destruir coisas sem ser processado ou preso". Um bom começo para as crianças...

GOOGLE NO ESPAÇO SIDERAL

O Google prepara uma inovação que vai levar os internautas ao espaço. Depois de conquistar o planeta por meio do mundo virtual, a empresa agora ambiciona dominar a galáxia. Numa parceria com a Nasa, o Google vai construir um centro de investigação no Vale do Silício. É o primeiro passo de um caminho que tem como objetivo disponibilizar online informações colhidas pelos telescópios espaciais e demais ferramentas que estudam o sistema solar. E tem gente que ainda resiste à Internet. (Foto: Sciencedaily)

segunda-feira, outubro 03, 2005

HARTUNG NO PMDB


Como o Ponto de Análises havia sugerido, o governador Paulo Hartung se filou ao PMDB - o partido ideal para os que não têm ideologia.