sábado, setembro 16, 2006

SOL, O NOVO JORNAL PORTUGUÊS, ESGOTA EM DUAS HORAS

Portugal ganhou hoje mais um importante jornal. É o semanário Sol, que nasce para concorrer com o tradicional Expresso. A primeira edição esgotou em duas horas. Foram colocados à venda 128 mil exemplares.

Eu não consegui comprar e, curioso para ver quais eram as novidades tão anunciadas, recorri à Internet. Deparei-me com a informação de que a edição em papel só estará disponível online na segunda-feira. O jeito é esperar.

De qualquer forma no site do jornal deu para ter idéia do estilo do novo semanário. O site é leve, bonito e de fácil navegação. Disponibiliza blogs de colaboradores e também dá ao usuário a oportunidade de criar seu próprio blog. Conta com uma galeria de fotos e fóruns de opinião. A grande novidade é a página chamada SOLidariedade, voltada para a divulgação de notícias referentes às "mais de 5 mil instituições portuguesas de solidariedade social".

A logomarca da publicação é moderna, alegre e bem adaptada aos novos tempos da comunicação.

É bom poder anunciar aqui o nascimento de mais um grande jornal, nesses tempos em que a imprensa está em crise. Qualidade nunca é demais. Que a nova publicação não deixe a desejar nesse campo é o que os leitores esperam.

Um comentário:

Silvino Évora disse...

Confesso que gostei muito da página do SOL. Eu também não consegui o formato papel por ter levantado tarde.
Espero que venha a ter muito sucesso. Para mim, a sua página na Internet é a melhor que existe em Portugal, em termos de media informativos digitais.
No entanto, creio que o SOL terá uma grande tarefa: "combater" o Expresso, que encontra o amparo do Grupo Impresa. O Expresso tem a SIC que lhe “oferece” espaços publicitários em condições vantajosas. Mesmo que tiver que pagar, o dinheiro fica na “casa mãe”. Por isso, o investimento em publicidade não será muito pesado, se tivermos em conta a amplitude global do grupo Impresa. No caso do Sol, todo o investimento em publicidade (na televisão, por exemplo) é dinheiro que sai definitivamente do cofre da empresa. Neste caso, a luta é desigual.
Hoje em dia, com os processos de concentração da propriedade das empresas de comunicação social, é muito difícil um jornal isolado lutar contra um título que está integrado num grupo como a Impresa, cuja capacidade de apostar em publicidade é grande. Nos últimos dias, se repararmos, a campanha publicitária do Expresso se intensificou na SIC… tudo, depois da reestruturação do jornal, que se preparou para “receber” o Sol. Terá um grande desafio pela frente, este novo jornal. Mas, nem por isso, creio que chegamos a um ponto em que é absolutamente impossível um jornal sobreviver ‘sozinho’. No entanto, o Sol terá que brilhar muito.